• (19) 2042-2150
  • (11) 4210-8150

Backup em fita ou em nuvem: qual a melhor opção?

 

O backup é um procedimento indispensável para qualquer empresa, independentemente de seu porte. Com ele, é possível se prevenir contra possíveis intercorrências, como desastres naturais, erros humanos e falhas em hardwares, mantendo a continuidade dos negócios.

Há vários modos de realizá-lo e dois dos mais comuns são o backup em fita e o em nuvem. As duas tecnologias contam com especificidades, que as fazem mais adequadas a diferentes necessidades. 

Para saber como esses backups funcionam e seus diferentes aspectos, continue a leitura!

Backup em fita

O backup em fita é uma tecnologia muito popular, que permite realizar a cópia de dados em uma bobina de fita magnética. É preciso um software para iniciar e acompanhar o processo, e os dispositivos podem ser armazenados por longos períodos, desde que em condições adequadas. 

Confira a seguir as principais características dessa solução, suas vantagens e desvantagens!

Tecnologia de armazenamento

No que diz respeito ao armazenamento, uma prática muito comum é a utilização do método Grandfather, Father and Son (GFS), que pode ser traduzido como “avô, pai e filho”, para a rotação das fitas e esquema de retenção.

técnico inserindo fita de backup

O GFS é uma das maneiras de trabalhar com o backup em fita.

O método GFS é baseado em uma agenda de 7 dias, na qual é realizado pelo menos um backup full a cada semana, o “pai”. Nos demais dias, são realizados backups diferenciais, os “filhos”.

Por fim, ao completar um ciclo de quatro semanas, é realizado outro backup full, o “avô”, com os dados de todo o mês.

Portanto, o método GFS consiste em criar três conjuntos de backup, sendo um diário, um semanal e outro mensal. Dessa forma, as fitas diárias poderão ser rotacionadas depois de sete dias e as semanais, após um mês.

Segue esquema de backup GFS para rotação de fitas:

  • Backup “avô”: backup full mensal, geralmente com armazenamento fora da empresa (offsite);
  • Backup “pai”: outro backup full, mas semanal;
  • Backup “filho”: backup diferencial, referente ao set de backup pai da semana.
tabela explicativa de método de backup GFS

Exemplo de funcionamento do método GFS.

Mesmo sendo um método criado para otimizar o uso das fitas e permitir sua reutilização, há alguns gargalos. Um deles é o risco de corromper uma rotina de backup “filho”, impossibilitando a restauração da semana e sendo necessário recorrer ao backup full do mês anterior, “avô”, prejudicando o RPO (Recovery Point Objective ou objetivo de ponto de recuperação)

Outros problemas são a necessidade de catalogação das fitas e logística de armazenamento no mesmo ambiente, com risco de perda dos dados em caso de desastres ou roubos, e o dever de armazenar pelo menos a mídia do backup full “avô” em um local externo.

Infraestrutura necessária

A maioria dos formatos de fita oferece uma grande capacidade de armazenamento, utilizando espaços físicos relativamente pequenos. Tape libraries e autoloaders quase não consomem espaço em rack e oferecem às empresas uma maneira fácil de fazer backup de nível corporativo, sem necessitar de salas inteiras para suportar seu hardware

Além disso, os consumíveis possuem boa capacidade de armazenamento, são pequenos e fáceis de guardar.

fitas de backup empilhadas

As fitas são pequenas e, por isso, fáceis de armazenar.

Apesar disso, existem alguns contras. Um exemplo é o custo. A solução é cara para quem tem filiais em várias localidades, já que é preciso investir na aquisição de um conjunto de tape libraries, fitas e licenças de agentes de backup para cada uma delas. Fora isso, nesse caso de múltiplas sedes, a gestão do backup on premise é muito complexa.

Outro ponto, já mencionado, é a necessidade de contar com serviço de guarda externa de fitas, para minimizar riscos relacionados à perda de informações em decorrência de sinistros (falhas humanas, roubos, incêndios, etc.). O custo mensal desse serviço também costuma ser bem dispendioso.

Além disso, para a operação do tape drive (para uma fita) ou tape library (para set de fitas), é preciso disponibilizar espaço no rack e contar com energia elétrica estabilizada e nobreak. Para o bom funcionamento do tape library, é importante ainda fazer um contrato de manutenção Next Business Day (NBD) com o fabricante.

A refrigeração e a umidade do ambiente de guarda das fitas também devem ser controladas para cumprir algumas especificações, caso não seja contratado o serviço externo.

Para evitar a degradação das fitas magnéticas prematuramente, faz-se necessário ainda que o administrador do backup observe os seguintes pontos:

  • Cuidado com o manuseio das fitas por pessoal da TI da corporação e por empresas terceirizadas para transporte e guarda externa;
  • Qualidade do ambiente de armazenamento na organização e offsite para guarda externa;
  • Número de vezes que a fita é acessada durante a sua vida útil;
  • Qualidade da mídia fornecida, evitando marcas e modelos de fornecedores desconhecidos e de pouca reputação.
pessoa inserindo fita de backup em hardware

Com alguns cuidados, a vida útil das fitas pode ser prolongada.

Tempo de recuperação

O tempo de restauração em fita poderá variar muito conforme especificado em projeto. De qualquer forma, por ter que manusear vários componentes locais, a logística por si só já é mais complexa. No processo de restauração, é preciso seguir alguns passos:

  • Verificar qual o set de backup que precisará ser restaurado, localizado no catálogo de fitas;
  • Encontrar a fita, que pode estar ainda na empresa ou offsite. Se for necessário requisitar uma fita que está em guarda externa, o tempo de restauração irá se estender;
  • Carregar o set de fita e verificar se é compatível com a sua tape library;
  • Ter acesso às senhas e chaves de criptografia;
  • Para restauração granular de um arquivo, o tempo dependerá “em que ponto” está na fita magnética.

Outro ponto de atenção com o uso de fitas é a necessidade de realizar testes de restauração com maior frequência, pois não é possível determinar como está a saúde das mídias.

É importante lembrar que quanto mais tempo a empresa ficar parada, maior será o prejuízo financeiro e o desgaste com a equipe de TI.

Escalabilidade

A escalabilidade não é um ponto de destaque do backup em fita. Isso porque com esse tipo de solução on premise pode ocorrer situações em que a demanda aumente muito e a tape drive não seja suficiente para atender, sendo necessário fazer nova aquisição de unidades de maior capacidade, como tape libraries.

Custos

A análise de custos de soluções, também chamada Total Cost of Ownership (TCO), deve considerar gastos diretos e indiretos.  No caso do backup em fita, é preciso contabilizar tanto aspectos de aquisição de equipamentos como os de operação e que afetam o desenvolvimento ou a manutenção do negócio.

Sendo assim, alguns pontos que devem entrar nessa conta são fitas, tape libraries, licenciamentos de softwares, renovações de licenças, switches, nobreakes, cofres, horas de suporte e treinamento de TI, serviços de guarda externos, ar condicionado, controle de umidade, mecanismos de controle de entrada, obsolescência dos dispositivos e RTO (Recovery Time Objective ou objetivo de tempo de recuperação). 

hardware de backup em fita

É preciso analisar todos os aspectos envolvidos para determinar os custos do backup em fita.

Backup em nuvem

O backup em nuvem, chamado também de cloud backup, é uma tecnologia que realiza a  cópia de segurança de dados digitais e as armazena em um servidor em nuvem (cloud computing). A solução é uma das mais utilizadas atualmente pelas corporações e é conhecida pela alta flexibilidade e escalabilidade.

Para realizar o backup em nuvem, também é preciso um software de backup. A aplicação é responsável por enviar os dados para a nuvem, conforme as configurações efetuadas. 

Entenda mais sobre as características da solução e quais são seus pontos fortes e fracos!

Tecnologia de armazenamento

Os agentes de backup com tecnologia em nuvem utilizam o método de backup incremental e backup incremental contínuo, tornando a gestão e operação do procedimento mais simples e segura para o processo de restauração.

Com isso, as janelas para a realização de backup diminuem, tornando o processo mais eficiente, já que são efetuadas cópias delta dos blocos alterados em relação à rotina anterior.

Dessa forma, é necessário somente um backup completo inicial. Depois disso, uma sequência permanente de backups incrementais pode ser agendada, ocorrendo, então, nos horários programados.

ilustração com nuvem de backup

O backup em nuvem é realizado a partir de um único backup full.

Entre as vantagens desse tipo de solução estão a redução da quantidade de dados que trafega pela rede, diminuindo a janela de backup; a diminuição do crescimento de volume, já que os backups incrementais contêm apenas os blocos que foram alterados desde o backup anterior, e a maior garantia de sucesso no processo de restauração.

Tecnologias profissionais de backup em nuvem, como a da ArtBackup, utilizam o método de backup incremental a nível de bloco (Block-level incremental backup), conforme esquema abaixo:

gráfico com modelo de funcionamento de backup incremental a nível de bloco

Modelo de funcionamento do backup incremental a nível de bloco, utilizado pela ArtBackup.

Infraestrutura necessária

Serviços profissionais de backup em nuvem atuam com o modelo Backup as a Service (BaaS), backup como serviço, em português. 

Com esse tipo de solução, não há necessidade de a empresa fazer a aquisição de dispositivos, custos de armazenamento de fitas, serviço de guarda externa e licenças de softwares.

O setup do serviço de backup em nuvem é simples e em poucos minutos já é possível realizar o primeiro backup manual e deixar as demais rotinas agendadas em horários de baixa demanda de processamento do servidor e de uso do link, como de madrugada.

O principal requisito para o serviço de backup em nuvem é contar com banda de internet compatível com o volume de dados que será copiado diariamente. Em alguns cenários, é recomendado contar com um link dedicado para a realização do procedimento.

A seguir, é possível verificar a relação de banda de upload necessária para gravar determinada quantidade de dados por dia, independentemente do sistema de backup em nuvem.

tabela com banda e volume de dados para backup em nuvem

No backup em nuvem, o upload dos dados depende da banda da internet.

Tempo de recuperação

Os arquivos poderão ser facilmente recuperados em casos de invasões ou desastres naturais. De forma online, os dados poderão ser restaurados para o mesmo servidor ou para outro destino, sendo necessário somente uma conexão com a internet.

Encontrar o arquivo que deseja restaurar também é muito mais intuitivo e rápido com soluções em nuvem, não necessitando carregar todo set de fitas para encontrar em qual delas está o dado almejado.

O acesso para o processo de restauração ocorre com login e senha administrativos, além de canal seguro de transmissão por SSL.

Soluções de backup em nuvem utilizam ainda tecnologias disk-to-disk (D2D), ganhando em segurança e performance com meios de redundância, como RAID.

Tecnologias profissionais de backup em nuvem provêm também a opção de realizar réplica de backup na infraestrutura local da empresa, tornando o tempo de restauração e o RTO bem menor.

ilustração com tela e hardwares de recuperação de dados

A recuperação de dados garante sua disponibilidade, um dos pilares da segurança da informação.

Escalabilidade

A escalabilidade é um ponto alto das soluções de backup em nuvem, pois o volume de armazenamento em data center é elástico, podendo aumentar ou diminuir conforme a demanda do volume de dados da empresa, e não depende de dispositivos in loco

Sendo assim, é possível apenas solicitar ou mesmo realizar, a depender da plataforma, um incremento ou redução no volume contratado.

Custos

Como visto acima, os custos do serviço de backup em nuvem também devem levar em consideração os aspectos diretos e indiretos envolvidos na contratação. Nesse caso, os pontos a serem calculados são o gasto mensal com o backup gerenciado, a banda de internet e o RTO. 

Como escolher qual solução utilizar?

É importante avaliar bem qual tipo de tecnologia consegue atender aos principais requisitos de confiabilidade e segurança nos processos de backup e de restauração da empresa. 

Alguns dos pontos a serem observados são a disponibilidade do sistema de backup dentro da janela disponível, sem impactar na operação de TI; o tempo de recuperação e RTO que atende a operação da empresa; a necessidade de armazenamento de dados em locais seguros, com acesso restrito, e a criptografia para proteger as informações contra vazamentos.

foto de pessoa utilizando computador e ilustração de cadeado na frente

Escolher uma tecnologia e realizar o backup é fundamental para a proteção de dados.

Em geral, o orçamento do gigabyte (GB) para armazenamento de dados com retenções inferiores a 365 dias é mais favorável para tecnologia de backup em nuvem. Como a operação é simplificada e há maior garantia para a recuperação dos dados, com RTO menor, as empresas selecionam essa solução para os dados mais sensíveis e de missão crítica.

De outra forma, dados que requerem pouco acesso, pouca modificação e mais antigos, considerados de menor importância para o negócio, são elegíveis para backup em fita. Grandes volumes de arquivamento e retenções superiores a 365 dias também podem ser avaliados para armazenamento em fitas.

A ArtBackup

A plataforma de backup em nuvem ArtBackup é exclusiva para Managed Service Providers (MSPs), provedores de serviços gerenciados, em português, e possibilita a revenda desse procedimento para clientes. 

A solução conta com inúmeros benefícios, como alto nível de segurança, gerenciamento centralizado, contratação sob demanda, suporte especializado, contrato mensal, possibilidade de personalização, além da criação de contas de demonstração.

Tudo isso com administração remota, priorizando a compressão dos dados e com emissão de relatórios a respeito da realização dos procedimentos. Para verificar na prática todas as vantagens oferecidas pela ArtBackup, realize um teste gratuito de 30 dias na plataforma. Clique no banner abaixo e solicite agora!

banner para ser parceiro artbackup

Índice

Aprofunde seu conhecimento com nossos e-books

DATASAFER
Av. Antônio Artioli, 570 - CJ 34, Swiss Park Office - Campinas/SP - CEP: 13049-900 CNPJ: 17.549.929/0001-77
Política de Privacidade | Termos de Uso