• (19) 2042-2150
  • (11) 4210-8150

Política de backup: para que serve e como elaborar

 

homem clicando em nuvem de backup

São inúmeras as ameaças à proteção de dados de empresas, como desastres naturais, invasões de hackers e falhas humanas. Ao mesmo tempo, a disponibilidade das informações é necessária para assegurar que os negócios continuem operando. 

Por conta disso, a política de backup figura como uma das peças-chave para a gestão de TI de qualquer corporação. O documento define as práticas de proteção e recuperação de dados e é imprescindível para o planejamento estratégico das operações que envolvam tecnologia. 

Para te ajudar a entender o que exatamente consta nesse relatório e como elaborá-lo, preparamos este conteúdo. Boa leitura!

Política de backup: conceito 

Afinal, o que é política de backup? Esse documento descreve os processos para a cópia de segurança de informações de organizações, os recursos e as pessoas envolvidas, a análise de riscos e como ocorrerá a recuperação dos dados, caso seja preciso. 

A política deve especificar quais os tipos de backup realizados, com qual frequência eles ocorrem e o conteúdo que será copiado para proteção. Tudo isso a fim de assegurar a garantia das premissas da segurança da informação e a continuidade do negócio

pessoa iniciando backup no computador com base em política

A política de backup deve fazer parte do planejamento estratégico de TI de empresas.

No documento, devem constar ainda quais são as prioridades nos processos e as métricas utilizadas para medir o sucesso dos procedimentos e das recuperações, como RTO e RPO.

Para que serve?

A política de backup serve para guiar todos os processos do gerenciamento de dados das corporações, inclusive seu ciclo de vida. 

Isso significa que o documento detalha tudo o que ocorrerá com as informações enquanto houver necessidade de sua disponibilidade, além de quando deverão ser descartadas, por exemplo, para cumprimento da LGPD

Sendo assim, o documento é um bom norte tanto para quem irá desempenhar as ações como para quem precisa monitorar se elas estão ocorrendo da forma correta e esperada. 

Além disso, a política pode ser consultada quando for necessária a recuperação de dados, para saber quais medidas devem ser tomadas.

pessoas em mesa de reunião

O documento ajuda a nortear o tratamento de dados das corporações.

Importância da política de backup

A política de backup é essencial para a continuidade dos negócios em caso de intercorrências. Isso porque boa parte das operações das empresas dependem da disponibilidade dos dados e, quando ela não acontece, pode haver grandes prejuízos.

Nunca se sabe quando um servidor pode sofrer uma pane, haver uma falha humana ou até mesmo um ataque cibernético. Por isso, é preciso manter os procedimentos de backup sempre em dia e descrever como pode ser executada a recuperação dos dados, para que a resposta aos problemas seja rápida e eficiente. 

O documento também ajuda a minimizar os riscos de erros nas operações de tratamento de informações e de realização dos backups, já que é possível consultá-lo para verificar qual é a forma esperada para que elas ocorram. 

Além disso, a política de backup é importante para que as empresas possam alinhar seus procedimentos à norma NBR ISO/IEC 27002 da ABNT, que estabelece as boas práticas para assegurar a segurança da informação, e à proteção de dados e disponibilidade previstas na LGPD.

ilustração de nuvem

A política de backup é fundamental para basear as ações caso ocorra uma adversidade que comprometa os dados da organização.

Dicas para elaborá-la

Há algumas etapas indispensáveis ao se criar uma política de backup. Para te ajudar na elaboração do documento, separamos os principais aspectos que deverão ser detalhados. Confira abaixo!

Estabeleça prioridades

Um dos pontos mais importantes ao elaborar a política de backup corporativo é decidir quais serão os dados prioritários para a realização das cópias. Um processo que pode ser necessário nesse sentido é a catalogação das informações da empresa.

Após a hierarquização, é preciso estipular qual será o seu tempo de retenção dessas informações e os intervalos entre os backups, para que as cópias possam se manter atualizadas de acordo com o nível de necessidade. 

Detalhe a rotina de backup

Outro passo importante ao criar o documento é a descrição da rotina de backup. Nessa seção, devem constar as ferramentas que serão utilizadas, quem será responsável pelos procedimentos, onde será realizado o armazenamento e qual a frequência em que irão ocorrer. 

Para isso, é importante lembrar quais são os tipos de backup. Veja a seguir:

  • Backup completo (Full): é uma cópia de todos os arquivos do dispositivo, sistema ou banco de dados;
  • Backup diferencial: é o que realiza a cópia apenas das últimas modificações relativas ao backup completo;
  • Backup incremental: esse procedimento realiza a cópia das últimas alterações relativas ao backup mais recente.

Além disso, é importante detalhar como será realizado o monitoramento e a auditoria das cópias, além de estipular a janela considerada aceitável de perda de dados, o RPO. 

Determine como será a recuperação

Após completar as etapas elencadas acima, chega a hora de estabelecer de que forma será feita a recuperação dos dados em caso de alguma adversidade. 

Para isso, é fundamental indicar qual será o downtime máximo, definido pelo RTO, que determinará em quanto tempo os sistemas ou dados devem estar operando novamente. 

ilustração de pessoa iniciando procedimento de backup

O detalhamento de como serão os processos de recuperação de dados é um dos pontos-chaves da política de backup.

Definir quem serão os responsáveis pela recuperação e realizar testes para verificar se ela ocorreria da forma planejada também é muito relevante.

Faça projeções

Com os elementos já citados prontos, é importante observá-los atentamente e realizar projeções em função do crescimento das operações da corporação. 

É preciso esboçar qual é o volume de dados esperado em função da escalabilidade das atividades da empresa, como serão realizados os backups dessas informações, se as ferramentas e recursos utilizados serão suficientes, além de como ficará a questão da recuperação.

A política de backup é um documento imprescindível para garantir a segurança e o funcionamento dos negócios quando há intercorrências. Ela deve ser uma das bases do planejamento de TI e ainda contribui para a elevação do nível de segurança da informação.

E para garantir que os backups sejam realizados da melhor forma, é preciso contar com as melhores ferramentas. A ArtBackup é uma ótima opção nesse sentido. 

A plataforma de backup em nuvem, exclusiva para provedores de serviços gerenciados (MSPs) e consultorias de TI, permite a automatização dos procedimentos e ainda é flexível. Clique no banner abaixo e saiba mais!  

Índice

Aprofunde seu conhecimento com nossos e-books

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email